quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Valha-me o samba!

A tristeza
é senhora.
Bamba que é bamba
também chora.

Malandro molha a navalha
com sangue de nêgo besta,
suor de muito trabalho
e orvalho que cai dos olhos.

Valha-me o samba!
Que a tristeza não me vale
se não vira poesia.

Um nêgo de verde e rosa
me cravou no peito um espinho:
"Ouça me bem, amor,o mundo é um moinho".

A viola do Paulinho
me cantou um fim de amor.
Mas de repente "Portela!"
uma voz anunciou.

A dor no samba é assim:
Bate coração no surdo
Chora o couro da cuíca
Cavaquinho encanta a alma
e a tristeza se transmuta.

Encham-se os copos!
Pra dor, no samba, se sorri.
Dancem os corpos!
Deixem de lado o baixo astral!
Samba, morena...
que eu não vim só pra assistir.
Valha-me o samba!
Me fez da vida carnaval.


Da minha companheira Bárbara Araújo Machado.

3 comentários:

Renato Alves disse...

Que coisa linda!!!

André Araujo disse...

Essa menina tem realmente um dom mto grande!! Lindo demais!

Vinicius disse...

kra ai... me dá licença, mas vai pro perfil do meu orkut...rsrs
com os devidos créditos, claro!

abraços